Menu fechado

Orgalutran e Cetrotide: os antagonistas na estimulação ovariana

Cetrotide e Orgalutran: os GnRH antagonistas na estimulação ovariana

Cetrotide (acetato de cetrorrelix) e Orgalutran (acetato de ganirrelix) são medicamentos hormonais administrados na estimulação ovariana, uma das etapas fundamentais da fertilização in vitro (FIV). A intenção é estimular os ovários e recrutar o maior número possível de folículos. E que parte desses folículos possam dar origem a óvulos de qualidade.

Existem diferentes protocolos de estimulação ovariana, com variações na duração do tratamento, dosagem e tipos de hormônios. Nesse caso, é muito importante conhecer bem a paciente que vai ser submetida ao tratamento e os seus ovários.

Mulheres com ovários mais sensíveis (altas respondedoras), podendo escolher protocolos que minimizem os riscos de Síndrome de Hiperestimulação Ovariana (SHO), como protocolo com antagonista, dose baixa de gonadotrofinas e o uso de agonista de GnRH para trigger final de ovulação. Por outro lado, há mulheres que têm ovários menos sensíveis, que inclui as categorias de pacientes mais velhas (≥ 35 anos), pacientes com grande supressão de LH endógeno (hipogonadismo hipogonadotrópico) e baixa reserva ovariana, grupos que podem se beneficiar de suplementação de LH.

Assim, a escolha do tratamento deve ser centrada na paciente, adaptando-se de acordo com cada perfil. Esta abordagem personalizada é especialmente relevante para otimizar a probabilidade de um ciclo de tratamento bem-sucedido e para prevenir os riscos de cancelamento do ciclo e complicações.

Saiba mais: Medicamentos usados nos procedimentos de Reprodução Assistida

Medicamentos Protocolo Estimulação Ovariana

Bloqueio hipofisário na estimulação ovariana

Basicamente, três ações são desenvolvidas no processo de indução: bloqueio hipofisário, estimulação do crescimento e amadurecimento do óvulo, e indução da última divisão celular com liberação do óvulo maduro da parede do folículo.

A hipófise é a glândula localizada na base do cérebro que controla vários sistemas do organismo, e entre eles o ciclo hormonal do ovário e ovulação. Por sua vez a hipófise recebe estímulo de outra área cerebral – o hipotálamo – através de um hormônio chamado GnRH (hormônio liberador de gonadotrofinas).

O bloqueio hipofisário é essencial na estimulação ovariana para evitar um pico prematuro de LH, com ovulação precoce e perda do ciclo. Com a introdução dos análogos do GnRH (agonista e antagonistas), reduziu-se essa ocorrência de 20% para menos de 2%. Estas medicações têm estrutura química semelhante ao GnRH liberado no hipotálamo e que vai controlar a hipófise, e se ligam aos mesmos receptores, fazendo um bloqueio da liberação hipofisária do LH. Os dois protocolos mais clássicos de estimulação ovariana para FIV são:

  • Protocolo longo (Agonista)

Acetato de Leuprorrelina (Lupron kit) ou Triptorrelina (Gonapeptyl daily)

O protocolo agonista é utilizado há mais tempo. Ao agir no receptor ele provoca um efeito inicial de liberação rápida de LH e FSH – chamado efeito “flare up”. Após alguns dias, o bloqueio do receptor se instala, e a hipófise para de liberar FSH e LH. Este bloqueio é profundo, potente, e não pode ser revertido de maneira rápida. O agonista quase sempre é iniciado 7 a 10 dias antes do ciclo menstrual, para que quando ocorra a menstruação, o bloqueio já tenha se estabelecido. A medicação então é mantida durante todo o processo de estimulação ovariana.

  • Protocolo curto (Antagonista)

Acetato de Cetrorrelix (Cetrotide) ou Acetato de Ganirrelix (Orgalutran)

O protocolo antagonista foi desenvolvido há menos tempo. Tem ação imediata, e também potente, de bloqueio dos receptores hipofisários. Ele não tem efeito “flare up”, e, portanto, o bloqueio se estabelece em poucas horas, sem liberação inicial de FSH e LH. Devido ao efeito rápido, o antagonista somente é iniciado na metade da estimulação ovariana (por volta do sexto dia de estímulo), quando passa a haver risco de onda prematura de LH da hipófise. Uma vez iniciado, deve ser administrado a cada 24 horas até o final da estimulação.

Se todo o processo foi bem conduzido, da avaliação inicial da paciente, bloqueio hipofisário, passando por uma correta definição de protocolo de gonadotrofinas, monitorização, ajustes de dose, e indução do LH final, certamente serão obtidos na aspiração óvulos com maturidade nuclear e citoplasmática, e de excelente qualidade para serem fertilizado pelos espermatozoides.

Consulte um Especialista em Reprodução Humana

Apenas um especialista em reprodução humana poderá confirmar qual das técnicas é a mais indicada para a paciente, após avaliar o caso individualmente, baseado nas características de cada uma, tal como o nível de reserva ovariana que ela possui.

Os medicamentos para estímulo ovariano devem ser aplicados seguindo todas as indicações médicas e apenas no período indicado evitando, entre outros efeitos, a síndrome da hiperestimulação ovariana.

Fontes: IPGO Medicina de ReproduçãoMater Prime Clínica de Reprodução Humana, Clínica Medicina Reprodutiva

Como adquirir Medicamentos para Reprodução Assistida?

Como adquirir Medicamentos para Reprodução Assistida?

Aqui na Sol Medicamentos Especiais você encontra todos os medicamentos utilizados nos procedimentos de reprodução assistida, inclusive Cetrotide e Orgalutran.

Por se tratar de medicamentos de alta complexidade, que exigem um tipo diferenciado de armazenamento, os medicamentos para reprodução assistida não são encontrados facilmente em farmácias comuns. É preciso que o estabelecimento tenha uma infraestrutura preparada para armazenar e manter intactas as propriedades desse tipo de medicamento.

Por isso, contamos com uma infraestrutura de alto padrão para monitorar todo o processo, desde a aquisição dos medicamentos junto aos laboratórios até a entrega final ao consumidor. Consultar preços de Medicamentos para Reprodução Humana.

Conte com a Sol Medicamentos Especiais nessa importante etapa do seu sonho!

Atendimento Sol Medicamentos Especiais
(11) 4133-1600 | (11) 94166-5575
solmedicamentos.com.br

Sobre o Cetrotide (Acetato de Cetrorrelix)

Pó liofilizado para solução injetável 0,25 mg. Embalagem contendo 1 frasco-ampola, 1 seringa preenchida com 1 ml de diluente, 1 agulha para injeção (calibre 20), 1 agulha hipodérmica para injeção subcutânea (calibre 27) e 2 lenços umedecidos em álcool.

Para que Cetrotide é indicado?

Cetrotide é um medicamento utilizado para prevenção da ovulação prematura em pacientes submetidas a uma estimulação ovariana controlada, seguida por coleta do oócito e técnicas de reprodução assistida.

Como Cetrotide funciona?

Cetrotide é um dos medicamentos utilizados durante as “técnicas de reprodução assistida” para ajudar a paciente a engravidar. Ele impede a liberação imediata dos óvulos. Se os óvulos forem liberados antes do tempo (ovulação precoce), poderá não ser possível ao médico proceder à sua coleta. Cetrotide® contém uma substância chamada acetato de cetrorrelix. Este fármaco impede o organismo de liberar um óvulo dos ovários (ovulação) durante o ciclo menstrual. Cetrotide® pertence a um grupo de medicamentos chamado “hormônios anti-liberação de gonadotrofinas”. Consultar Preço Cetrotide®

Cetrotide bloqueia um hormônio natural existente no seu organismo denominado hormônio liberador do hormônio luteinizante (LHRH). O LHRH controla a produção de outro hormônio, chamado hormônio luteinizante (LH). O LH estimula a ovulação durante o ciclo menstrual. Assim, o Cetrotide® interrompe a cadeia de eventos que conduz à liberação do óvulo dos ovários. Quando os óvulos estão prontos para serem coletados, é administrado outro medicamento que promoverá a liberação dos óvulos (indução da ovulação). >> Acesse Aqui a Bula de Cetrotide

Cetrotide: medicamento estimulação ovariana

Sobre o Orgalutran (Acetato de Ganirrelix)

Solução injetável de 0,25 mg em embalagem com 1 seringa preenchida descartável contendo 0,5mL de solução.

Para que Orgalutran é indicado? 

Orgalutran® é indicado para prevenir o aumento precoce do hormônio luteinizante durante o tratamento da infertilidade.

Como Orgalutran funciona?

Orgalutran® contém a substância ganirrelix, que inibe as ações do hormônio de liberação natural de gonadotrofinas (GnRH). O GnRH regula a liberação das gonadotrofinas [hormônio luteinizante (LH) e hormônio estimulante do folículo (FSH)]. As gonadotrofinas desempenham um papel importante na fertilidade e reprodução humana. Nas mulheres, o FSH é necessário para o crescimento e desenvolvimento dos folículos nos ovários. Os folículos são pequenas bolsas redondas que contém as células ovo (óvulos). O LH é necessário para liberar os óvulos maduros dos folículos e ovários (isto é a ovulação). Consultar Preço Orgalutran®.

Orgalutran® inibe a ação do GnRH, resultando em supressão da liberação especialmente de LH. Em mulheres submetidas às técnicas de reprodução assistida (TRA), incluindo a fertilização in vitro (FIV) e outros métodos, ocasionalmente a ovulação pode ocorrer muito precocemente causando uma redução significativa da possibilidade de engravidar. Orgalutran® é utilizado para prevenir um aumento precoce do hormônio luteinizante que poderia causar liberação prematura do óvulo.

Orgalutran® é utilizado para prevenir a luteinização prematura durante a estimulação ovariana controlada pelas técnicas de reprodução assistida. Nos estudos clínicos Orgalutran® foi utilizado com o hormônio estimulante do folículo recombinante. >> Acesse Aqui a Bula de Orgalutran

As informações contidas têm caráter informativo e não devem ser usadas para autodiagnostico ou para substituir as orientações do médico. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SOL DISTRIBUIDORA DE PRODUTOS HOSPITALARES E FARMACÊUTICOS LTDA / CNPJ: 21.367.184/0001-00 / IE 206.363.515.112
Rua Mario Quintana, 54, Conjunto A, Melville Empresarial I e II / Alphaville / Barueri-SP, CEP: 06485-350 – Telefone (11) 4133-1600
Farmacêutico Responsável: Dra. Maria Izabel Salatino de Bem Vidal – CRF-SP – 77673

Filial Espírito Santo
Avenida João Francisco Gonçalves, 100, Sala 12, CEP: 29111-300, Bairro Cobilandia, Cidade Vila Velha-ES
Responsavel técnico: Chiara Pavesi Mai Nunes - CRF-ES 1751