Menu fechado

Trombose: por vezes discreta, é doença mais comum do que se imagina

Trombose: por vezes discreta, é doença mais comum do que se imagina

Você já deve ter percebido que quando sofremos um corte, o sangue escorre um pouco e depois para. Isso ocorre, porque o corpo humano é dotado de um sistema de coagulação e nesse processo forma-se um trombo, que nada mais é do que um coagulo, que bloqueia o sangramento.

Depois de algum tempo, esse e trombo se dissolve, o vaso é recanalizado e a circulação volta ao normal. Porém, existem pessoas que apresentam distúrbios e formam trombos em um lugar onde não houve sangramento. Isso é o que chamamos trombose.

A trombose pode ser superficial ou profunda. O sangue flui mais lentamente nas veias do que nas artérias, e é por esta razão que as tromboses ocorrem principalmente nas veias (Daí a sigla TVP – Trombose Venosa Profunda, muito usada por especialistas ao diagnosticar a doença).

Além disso, de acordo com a Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV), em aproximadamente 90% dos casos a doença acomete nos membros inferiores. Ainda segundo a instituição, a cada ano cerca de 180 mil pessoas no Brasil desenvolvem a TVP.

Outros números revelados pelo movimento World Thrombosis Day, indicam que a trombose é a causa de mortalidade de 1 em cada 4 pessoas no mundo. Um quarto da população morre devido a complicações da doença.

Atenção aos Sintomas

A trombose pode ser completamente assintomática ou apresentar indicativos como dor, inchaço e aumento da temperatura nas pernas, coloração vermelho-escura ou arroxeada e endurecimento da pele.

Fatores de risco que favorecem a doença

Alguns fatores podem contribuir para o desenvolvimento da trombose como:

  • Predisposição genética (histórico familiar);
  • Obesidade e colesterol elevado;
  • Uso de anticoncepcionais;
  • Idade mais avançada, o risco aumenta para o dobro por cada acréscimo de 10 anos a partir dos 20 anos de idade;
  • Consumo de álcool;
  • Tabagismo;
  • Falta de movimentação (período de descanso muito prolongado, seja deitado ou sentado).

Quanto mais fatores de risco o indivíduo apresentar, maior será probabilidade de ele desenvolver a doença.

Trombose na gravidez

A ocorrência de trombose aumenta muito na gravidez, porque a capacidade de coagulação do sangue se intensifica, principalmente no final da gestação, como forma natural de sobreviver ao parto. É importante informar que quando uma mulher sofre um episódio de trombose na gravidez, tem risco de desenvolver outros quadros de trombose na vida e, por isso, deverá prevenir-se.

Quem já passou por isso conta

Joice Lopes, 32 anos

Eu estava na 30ª semana de gestação, sentia muitas dores nas pernas, mas em especifico em uma (na esquerda). A médica obstetra dizia que era normal por conta do peso, e que mulheres grávidas nesta idade de gestacional, sentiam alguns desconfortos.

Fui deixando de lado, mas certo dia a dor era insuportável. Tive a impressão que minha perna estava muito inchada e vermelha. Com a dor acima do normal, decidi ir até o ortopedista. Quando cheguei o diagnóstico foi contundente, ele examinou e disse: “a senhora está com trombose!”

Fiquei em choque, até então não sabia da existência dessa doença. Tão pouco como tratá-la. O médico fez prontamente um encaminhamento para a maternidade solicitando um ultrassom com doppler dos membros inferiores. E foi constatado!

Algum tempo depois tive minha segunda gestação. E mesmo tomando as injeções, desde quando descobri a gravidez (com 20 semanas), tive um aborto e foi constato uma trombose na placenta. Durante esse período havia feito uma série de exames para detectar a trombofilia, mas nada havia sido constatado.

O médico me orientou a não ficar mais grávida, pois possivelmente em todas as vezes, eu tenho o risco desenvolver a doença. Nas duas vezes, o tratamento foi baseado na medicação com anticoagulante que faz com que não formem trombos e com isso diminui os riscos. Também, fiz uso de e meia de compressão por um bom tempo.

Prevenção

Para prevenir a trombose é preciso ter uma alimentação saudável, boa hidratação e prática regular de exercícios físicos, o que melhora a circulação sanguínea, diminui processos inflamatórios e evita acúmulo de placas de gordura nos vasos de sangue.

Pessoas que têm varizes, problemas circulatórios ou permanecem por muito tempo sentado ou em pé, no trabalho, é recomendado usar as meias elásticas de média compressão.  Quando se pretende viajar é aconselhável levantar de tempos em tempos e caminhar um pouco, de forma a facilitar a circulação do sangue.

Para quem viaja de avião

Em um voo o risco a doença é maior, já que a pessoa fica sem mover as pernas, o que prejudica o retorno do sangue venoso para o coração.

Mas seguem recomendações que ajudam a evitar o problema, como por exemplo; durante a viagem use roupas confortáveis e um pouco mais largas, que não causem compressão, tome bastante líquido, principalmente água. O líquido, além de hidratar, também motiva a pessoa a se levantar para ir ao banheiro. Evite ficar mais de duas horas parado na mesma posição.

Outras dicas e recomendações

  • Caminhe sempre que possível, se você é obrigado a trabalhar muitas horas sentado, levante-se para tomar água ou café, olhar a rua, ir ao banheiro;
  • Beba álcool com parcimônia e moderação;
  • Pare de fumar. Os componentes do cigarro lesam veias e artérias;
  • Use meias de compressão principalmente se você tem varizes.

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico é realizado com base nos sintomas e confirmado por exames de laboratório e de imagem, como a ressonância magnética, a flebografia e o ecodoppler colorido.

O tratamento é aplicado a fim de reduzir a viscosidade do sangue e ajudar a dissolver o coágulo impedindo que ele cresça ou que o coágulo existente se solte. Existem remédios ajudam a diminuir o risco, e assim evitam a ocorrência de um novo quadro ou do aparecimento de sequelas.

São em geral medicamentos anticoagulantes, como a Heparina e a Varfarina, no entanto, que só devem ser usados mediante prescrição médica após um diagnóstico preciso. Por isso vale sempre destacar, em caso de suspeita da doença, procure um médico, e caso ele prescreva algum tratamento, conte com a Sol Medicamentos Especiais. Somos uma empresa especializada na venda de medicamentos especiais, inclusive os relacionados a hematologia.

Atendimento Sol Medicamentos Especiais
📞(11) 4133-1600 | (11) 94166-5575
🛒 solmedicamentos.com.br

Acompanhe nosso conteúdo nas redes sociais!  Facebook | Instagram | LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SOL DISTRIBUIDORA DE PRODUTOS HOSPITALARES E FARMACÊUTICOS LTDA / CNPJ: 21.367.184/0001-00 / IE 206.363.515.112
Rua Mario Quintana, 54, Conjunto A, Melville Empresarial I e II / Alphaville / Barueri-SP, CEP: 06485-350 – Telefone (11) 4133-1600
Farmacêutico Responsável: Dra. Maria Izabel Salatino de Bem Vidal – CRF-SP – 77673

Filial Espírito Santo
Avenida João Francisco Gonçalves, 100, Sala 12, CEP: 29111-300, Bairro Cobilandia, Cidade Vila Velha-ES
Responsavel técnico: Chiara Pavesi Mai Nunes - CRF-ES 1751